Nossa análise de crédito tem o objetivo de avaliar a capacidade de pagamento de um solicitante bem como a estrutura e as garantias apresentadas.

Com esses elementos, atribuímos uma classificação de risco à operação (Rating), obedecendo a metodologia e política de crédito vigente na instituição financeira MOVA. 

Os Ratings atualmente ofertados pela Plataforma variam de AA a D. Na tabela abaixo exibimos uma estimativa de inadimplência para cada Rating. Essa inadimplência indicada representa uma referência alvo adotada pela MOVA, os números estão alinhados às melhores práticas de mercado e tem base na regulação atual. 

A Taxa de Juros associada a cada Rating, por sua vez, é calibrada com o objetivo de oferecer ao investidor um retorno pós inadimplência adequado ao risco daquela categoria.

Cabe observar que é natural o aumento do retorno estimado para Ratings mais baixos e isso não significa que um é melhor que o outro, porque o risco também aumenta.

Dito de outra forma, embora inadimplência estimada no Rating D seja de 24,78%, essa faixa apresenta variações de resultado muito maiores que as operações de menor risco,  ou seja, embora o retorno final pode ser maior que no Rating A, também há risco de ser menor, ou até implicar em perda do valor aplicado.

Outra forma exemplificar essa dinâmica é pensar em um cenário de crise econômica os Ratings piores tendem a sofrer e frustrar as estimativas de forma mais severa.

Nossos modelos de crédito e algoritmos prezam pela previsibilidade do fluxo de pagamentos das operações, visando a melhor consistência da relação risco x retorno de cada Rating.

Com esse mesmo objetivo, também buscamos trazer segurança aos nossos produtos financeiros por meio de garantias e outros mitigadores de risco. No processo de análise consideramos uma série de informações, tais como:

PESSOA JURÍDICA

  • Demonstrativos financeiros.
  • Histórico de faturamento.
  • Projeções financeiras.
  • Plano de negócios.
  • Adequação do financiamento à finalidade dos recursos. 
  • Adequação das obrigações do serviço da dívida ao fluxo de caixa projetado.
  • Realização de testes de sensibilidade e volatilidade das projeções.
  • Birôs de crédito (por exemplo, SERASA ou Credilink). 
  • Inexistência de (i) restritivos de caráter objetivo, tais como protestos, registros de cheques sem fundo, ações de busca e apreensão; (ii) crimes, inclusive de lavagem e dinheiro, corrupção, ambientais e outros, associados ao seu nome ou nome de empresas das quais seja controlador; ou (iii) crimes, inclusive de lavagem e dinheiro, corrupção, ambientais e outros, associados ao nome do controlador.

PESSOA FÍSICA

  • Comprovação de renda. 
  • Outros documentos comprobatórios do contexto econômico do solicitante.
  • Birôs de crédito (por exemplo, SERASA ou Credilink). 
  • Inexistência de (i) restritivos de caráter objetivo, tais como protestos, registros de cheques sem fundo, ações de busca e apreensão; (ii) Impeditivos ou apontamentos tais como impedimentos no Sistema Financeiro da Habitação (SFH), proibições legais de concessão de crédito ou bloqueios de bens; (iii) crimes, inclusive de lavagem de dinheiro, corrupção, ambientais e outros, associados ao seu nome ou nome de empresas nas quais tenha mais de 10,00% (dez por cento) de participação no capital; ou (iv) crimes em regime de reclusão.

Ficou com alguma dúvida?
Envie um e-mail para [email protected] ou uma mensagem no chat.



1 comentário

Entenda o que é e como a taxa Selic afeta os investimentos - MOVA · 15 de janeiro de 2020 às 14:19

[…] é a taxa básica de juros da economia brasileira, e serve como referência para operações de crédito e investimentos. O que pouca gente sabe é que SELIC é a sigla para Sistema Especial de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *